quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Diário de uma Mantinha Noiva: A Saga da Quinta parte 1

Para as mais assustadas: não, isto não se vai tornar um blog de "Mulher na Sala e na Cozinha". Achei por bem, já que apesar de haver muita gente a falar no assunto, acabam por nunca haver testemunhos suficientes na net sobre este assunto, ir dando a minha opinião.

O pedido de casamento dará panos para mangas noutra altura e correu da maneira que seria expectável. O que veio a seguir é que se tornou numa aventura que eu nunca esperaria que fosse tão

Don't get me wrong: sempre fui daquelas moçoilas que achava que, se mantesse tudo certinho e direitinho, apontasse datas, decidisse e deixasse decidido... tudo iria correr conforme planeado. Mas os planeamentos nunca, mas nunca dependem só de nós e da nossa boa vontade.


Foi o que aconteceu com a escolha da quinta.

Data escolhida, optámos por marcar a quinta. Por uma questão de respeito para com o Padre (que, coitado, fartava-se de contar histórias de gente que aparece lá já com a data da quinta marcada e depois impõem-lhe datas "Ó senhor Padre, tem de ser dia x, porque nós já demos sinal na quinta XPTO e tem de ser lá!"), marcámos o dia e depois pusemo-nos a caminho.

A primeira Quinta que escolhemos para visitar (e, esperava eu, a última!) era uma quinta aqui perto de casa. Desde garota que, sempre que havia baptizados da família lá, eu pensava "tem de ser aqui que me vou casar": o ambiente paradisíaco, com floresta e uma casa antiquíssima, pedia mesmo para a malta se casar lá. Já foi também palco de uma novela portuguesa (na altura em que era estalagem e hotel), mas ultimamente só serve para eventos.

O moço foi comigo e, obviamente que também ficou rendido. O preço das ementas era um bocadinho acima do que estaríamos à espera mas a senhora, muito prestável, deu-nos o número do Catering e disse-nos que, se negociássemos bem, que certamente o preço por pessoa desceria. Para além disso, o preço incluía o serviço todo, o que nos facilitaria bastante a vida.

Já nem vi mais quinta nenhuma naquela semana. Andei ali, a fazer contas à vida, a cortar aqui e ali para não haverem muitos desvios orçamentais e, quando resolvemos ligar ao Catering para confirmar a reserva e negociar o preço, acontece-nos o impensável:

"Bom dia, estou a ligar por causa do casamento no dia x e para avisar que escolhemos a ementa y. Queríamos também saber, uma vez que a senhora da Quinta nos aconselhou, tendo em conta o número dos convidados, se nos conseguiam fazer um acertozinho no orçamento."

(risos do outro lado da linha)

"Ah, a ementa foi alterada durante esta semana. Realmente o preço do prato mantém-se, mas já nenhum dos serviços vem incluído. Logo, terá de pagar à parte toalhas, copos, talhetes, mesas, cadeiras... e é só para se preparar que a tenda são logo uns 3 mil euros extra em cima!"

Imaginam a minha cara de melão, não imaginam? Liguei logo no próprio dia para a Quinta, a explicar a situação e a pedir explicações à senhora da Quinta. Esta pediu-me desculpas, mas explicou que "pelos vistos tinham mudado a ementa nesses dias e que nada podiam fazer em relação a isso".

A sorte deles foi que ainda não tinha dado sinal, senão tinham que mo devolver em dobro... rapidamente desmarquei a data e me pus à procura de novo local

(Fim da primeira parte)